sexta-feira, 23 de junho de 2017

MAIS DE 13 MIL ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO PASSARAM PELO CAMPUS DA FEDERAL DE LAVRAS

O evento também contou com programação cultural

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) contou com aproximadamente 13 mil alunos do Ensino Médio nessa quarta-feira, 21. 

O UFLA de Portas Abertas – mostra de profissões promovida pela instituição- superou o público da última edição e mais uma vez foi sucesso no câmpus, com movimento intenso das 8h às 18h. 


O evento, realizado por meio da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec), contou com a colaboração de toda comunidade acadêmica.

Membros de núcleos de estudos, empresas juniores, programas de educação tutorial, centros acadêmicos, atléticas e demais estudantes, além de técnicos, terceirizados e professores das mais diversas áreas de atuação, engajaram-se na elaboração de programações atrativas e se comprometeram com toda organização. 

O evento contou ainda com a colaboração da prefeitura e o Corpo de Bombeiros, que cederem seus serviços de ambulância. 


A comunidade acadêmica esteve organizada nos diferentes departamentos da universidade recebendo os participantes com visitas guiadas, palestras, demonstrações e apresentações, possibilitando o maior conhecimento dos cursos e projetos da UFLA, além da estrutura da Instituição e das pesquisas desenvolvidas. 

Durante o evento, alguns alunos conseguiram até mesmo confirmar as suas decisões. A estudante Waleska Maria de Souza Martins, 15 anos, da Escola Estadual Professor Fábregas em Luminárias, no Sul de Minas, viu que Pedagogia era tudo o que esperava. 

“Sempre pensei nesse curso, e hoje tive certeza de que é isso que desejo fazer. Vi inúmeras possibilidades na vida profissional”, disse.

Rayssa Cappuccio e Julia Cardoso, ambas de 17 anos, alunas da Escola Estadual José Monteiro em Campo Belo, no Sul de Minas, também não escondiam no olhar e nas palavras o desejo de estudar da UFLA. 

“Meu sonho é entrar numa universidade que tem nome como a UFLA. Não quero estudar em outro lugar que não seja aqui. Conheci e me apaixonei por esse lugar. Foi amor à primeira vista”, declarou Rayssa, que pretende cursar Medicina. Julia Cardoso deseja fazer Pedagogia, seu objetivo é dar aula na educação infantil. “Sempre gostei muito de crianças e na UFLA que eu quero estudar”.

Já na Escola Estadual Othon Motta, em Conceição de Rio Verde, no Sul de Minas, foi necessário realizar um sorteio para decidir quais alunos participaria do evento.

“Nossos estudantes ficaram muito empolgados, e não tínhamos condições de trazer todos, então tivemos que sortear. E é satisfatório ver o quanto estão participando de tudo aqui”, relatou a vice-diretora Valéria Mendes Pereira Cruz.

O professor de Química Alexandro Pereira, do Colégio União, de Três Corações, no Sul de Minas, também trouxe seus alunos para o evento. Essa foi a terceira vez que participou do UFLA de Portas Abertas e o considera importante no sentido de aproximar os alunos da universidade. 

“É uma grande oportunidade para eles conhecerem os cursos e as profissões. É bom respirar esse ambiente acadêmico”, opinou.

As expectativas também foram superadas pelos estudantes da UFLA. Nina Pires Alves, 7º período de Biologia, participou da programação do evento nas três edições. 

“No primeiro ano, atendemos 200 alunos na Biologia. Ano passado, 350, e esse ano ultrapassamos 600. Acho extremamente importante para quem está no Ensino Médio. Quando fui escolher meu curso, senti falta de algo que me norteasse dessa maneira. É bacana você conhecer as opções e escutar dos próprios acadêmicos suas experiências, que têm uma visão diferente da dos professores. A nossa fala se aproxima mais com a dos secundaristas, o que é válido para ajudar na decisão de qual curso escolher e, também, de como é o funcionamento da universidade”, avaliou.

Avaliação institucional
Para o pró-reitor de Extensão e Cultura, professor João José Granate de Sá e Melo Marques, é válido ressaltar o compromisso da UFLA com o ensino público de qualidade e em disseminar o conhecimento na sociedade. 

“Nesse sentido, a universidade oferece hoje cerca de três mil vagas por ano, em 35 diferentes cursos de graduação. O UFLA de Portas Abertas é um grande evento que nossa Universidade oferece aos estudantes do Brasil, uma oportunidade de conhecer in loco como são esses cursos, o que esses profissionais fazem e quais são as oportunidades que a UFLA oferece para aqueles estudantes que necessitam de algum tipo de assistência”, comenta.

O pró-reitor adjunto da Proec, professor Dany Flávio Tonelli, que esteve à frente da organização, considera que o III UFLA de Portas Abertas superou as expectativas. 

“A partir dessa terceira edição, o evento fica consolidado como um dos obrigatórios da universidade. A Instituição assimilou melhor o que é o UFLA de Portas Abertas, assim todos os setores, professores e estudantes contribuíram enormemente para o sucesso do evento. Vamos colher muitos bons frutos, plantando a semente na vida desses visitantes”, comenta Dany.

A organização do evento também contou com a plena colaboração do professor Lucas Amaral de Melo, coordenador da Engenharia Florestal. 

Para ele, a missão foi cumprida, com melhorias na recepção, organização, com o apoio de muitos estudantes e professores, que possibilitaram que o evento fosse um sucesso. “Mais uma vez o UFLA de Portas Abertas cumpriu o seu papel perante a sociedade”, complementou.

com Camila Caetano - da assessoria UFLA


PRAEC CRIA CANAL DE INTERAÇÃO DIRETA COM A COMUNIDADE ACADÊMICA

A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e Comunitários (PRAEC) da Universidade Federal de Lavras (#UFLA) agora conta com o #falaPRAEC!

Um serviço de perguntas e respostas pra tirar as dúvidas gerais da comunidade sobre os serviços da Pró-Reitoria.

Se tiver alguma dúvida/pergunta, manda no inbox com a hashtag #falaPRAEC que rapidinho sai a resposta aqui no facebook e lá no site.
Entra lá, vai que a sua dúvida já não foi respondida 😉

MINISTÉRIO VAI AVALIAR A INCLUSÃO NO SUS DE TÉCNICAS QUE CORRIJAM A SÍNDROME DE IRLEN

As comissões de Seguridade Social; e de Educação, da Câmara dos Deputados, debateram o diagnóstico e tratamento da síndrome de Irlen, transtorno visual relacionado com alterações na percepção luminosa pelo cérebro

O Ministério da Saúde vai estudar a incorporação, no Sistema Único de Saúde (SUS), de metodologias que corrijam a síndrome de Irlen. Trata-se de um transtorno visual relacionado com alterações na percepção luminosa pelo cérebro.

A pessoa afetada tem dificuldade extrema na leitura: no cérebro dela, as letras se embaralham, vibram, é criado um espaçamento entre as palavras. Consequentemente, padecem de cansaço visual, dor nos olhos e de cabeça e não conseguem ler, sendo muitas vezes analfabetas.

O assunto foi discutido no último dia 13, em audiência conjunta das comissões de Seguridade Social e Família; e de Educação. Deputados presentes se comprometeram a dar continuidade ao assunto, principalmente os que sugeriram o debate, Geovânia de Sá (PSDB-SC), Marcus Pestana (PSDB-MG) e Pedro Cunha Lima (PSDB-PB).

Filtros
Em sua forma mais simplificada, o tratamento consistiria no uso de uma folha colorida de acetato, chamada overlay, sobre o texto a ser lido. A folha, que custa em média R$ 40, funciona como um filtro e a pessoa com a síndrome lê normalmente.

Uma solução mais prática seria a incorporação desses filtros em óculos, mais aí o custo de uma lente gira em torno de R$ 500.

Custo barateado
O tratamento foi fortemente defendido por oftalmologistas que estudam o assunto na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e na Fundação Hospital de Olhos.

O presidente da fundação, Ricardo Guimarães, explicou que, em uma abordagem de saúde pública, o overlay é suficiente na maioria dos casos e pode ser barateado se utilizado em larga escala.

“Em uma escala maior, você tem produção nacional, começa a ter laboratórios locais, aí o custo baixa”, disse, lembrando que hoje esse material costuma ser importado.

A oftalmologista Márcia Guimarães destacou que o efeito da intervenção por filtro é imediato. “A criança muda, se torna mais tranquila, interessada e caprichosa”, observou.

Evidência científica
Desde que haja evidência científica de que o tratamento funciona, o Ministério da Saúde poderá adotá-lo independentemente dos custos. “O custo em si não interessa, mas a efetividade. Se trouxer benefício à população, com certeza será incorporado às novas tecnologias do SUS”, informou o diretor de Atenção Especializada do Ministério, Fernando Machado.

Na audiência, ele anunciou a criação em breve de um grupo técnico formado por especialistas, entre eles neurologistas e oftalmologistas, para analisar o caso e emitir parecer.

Conselho federal
Também o Conselho Federal de Medicina (CFM) vai examinar o assunto, como órgão que referenda procedimentos médicos. Em 2014, o conselho já havia emitido um parecer contrário às lentes, por não haver então aprovação científica para elas.

Mas esse posicionamento pode ser revisto, segundo o conselheiro José Fernando Vinagre. “Vamos precisar abrir essa discussão junto ao CFM, para que as pessoas desta mesa, responsáveis por tudo o que está sendo trazido, discutam o assunto. Isso vai trazer benefícios extremos à população brasileira, que é negligenciada”, disse.

Diagnóstico
Estima-se que entre 4% e 15% das crianças em idade escolar apresentam algum distúrbio de aprendizagem relacionado à visão. A síndrome de Irlen especificamente ainda é de difícil de diagnóstico, por envolver questões neurológicas e não apenas de acuidade visual. Muitas vezes, não é o oftalmologista que vai identificar o distúrbio, mas um psicólogo, um pedagogo ou mesmo um professor.

A Fundação Hospital de Olhos capacitou mais de cinco mil pessoas para trabalhar nessa identificação em todo o País. As consequências de um não tratamento, segundo a psicóloga da UFMG Ângela Pinheiro são evasão escolar, baixa autoestima e transtornos psíquicos.

Petição
A reunião contou com a presença de pais de crianças com a síndrome de Irlen. Eles entregaram aos parlamentares uma petição pedindo o debate do assunto e avanços no tratamento.

Representante de grupo que pede apoio ao tratamento da síndrome, Kaline Donato entrega aos tucanos petição pública com mais de 5 mil assinaturas.
O deputado Pedro Cunha Lima disse esperar desdobramentos da discussão. “Aqui a gente não está falando de custo, é investimento”, declarou.

Geovania de Sá, por sua vez, se disse angustiada pelas famílias que não têm acesso à informação sobre a síndrome. “Sei das dificuldades, mas não podemos fechar os olhos. Que a gente possa dar continuidade e alinhavar essas políticas públicas”, afirmou.

reportagem Noéli Nobre
edição Newton Araújo
da Agência Câmara Notícias

TRIBUNAL CONSIDERA INCONSTITUCIONAL LEI MUNICIPAL QUE AUMENTOU O SUBSÍDIO DE SECRETÁRIOS


O Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE) considerou inconstitucional a Lei Municipal nº 1.068/2009, da cidade de Córrego do Bom Jesus, no Sul de Minas, que aumentou indevidamente os subsídios dos secretários municipais. 

O relator do processo, conselheiro Mauri Torres, explicou que houve “vício de iniciativa, uma vez que o processo legislativo não foi deflagrado pelo Poder constitucionalmente competente” em referência ao fato de o prefeito ter sido o autor do projeto de lei. 

Seu voto foi aprovado por unanimidade em sessão de Pleno, presidida pelo conselheiro Cláudio Terrão.

A decisão do Tribunal aconteceu na análise do Processo nº 833234, uma representação formulada por Carlos Henrique da Silva, presidente da Câmara Municipal de Córrego do Bom Jesus no exercício de 2010, relatando a ocorrência de possível irregularidade praticada pelo prefeito na gestão 2009/2012, José Rodrigues da Silva. 

Ele alegou que o prefeito encaminhou ao Legislativo local projeto de lei para alterar o inciso III do artigo 1º da Lei Municipal nº 1.031/2008, alterando o valor dos subsídios dos secretários municipais para R$ 2.106,00, o que correspondeu a um aumento de 30% do valor inicialmente fixado para a legislatura 2009/2012.

A área técnica e o Ministério Público junto ao Tribunal se manifestaram pela procedência da representação. O processo tramitava na Primeira Câmara, mas a questão da inconstitucionalidade de lei municipal depende de uma sessão de Pleno. 

A decisão de hoje incluiu “o retorno do processo à Primeira Câmara para que se prossiga com o julgamento do mérito, com relação ao apontamento da Unidade Técnica de recebimento a maior de remuneração por parte dos secretários municipais à época, decorrente do reajuste indevidamente concedido por meio da referida lei”.

com assessoria

IFSULDEMINAS RECEBERÁ MAIS DE R$1 MILHÃO PARA INVESTIR EM GERAÇÃO DE ENERGIA E PESQUISA


O projeto IFSolares do Instituto Federal do Sul de Minas (IFSULDEMINAS) foi selecionado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) na Chamada de Projeto Prioritário de Eficiência Energética e Estratégico de P&D nº 001/2016. O resultado foi divulgado nesta terça-feira, 20. 

A aprovação de R$ 1.064.837,42  para o Campus Poços de Caldas permitirá a implantação de minigeração por meio de placas fotovoltaicas, retrofit das instalações (troca de lâmpadas) e implantação do Programa de Gestão Energética de acordo com a NBR 50001/2011.

O resultado foi anunciado durante a 22ª Reunião Pública Ordinária da Diretoria da ANEEL, que aprovou as avaliações iniciais de 11 propostas de todo país, dentre elas a de autoria do IFSULDEMINAS. 

O Departamento Municipal de Energia (DME) de Poços de Caldas atuará como financiador e fiscalizador do projeto, cujos recursos serão geridos com auxílio da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento e Ensino de Machado (Fadema). IFSolares está previsto para ser implantado já no início do próximo semestre.

A proposta envolveu uma equipe de professores do Campus Poços de Caldas, o coordenador do projeto Ezequiel Junio de Lima, Bruno Eduardo Carmelito, Diógenes S. Rodovalho, Douglas Donizeti de C. Braz, Rafael F. C. Neves, Rodrigo L. Ortolan, Thiago Caproni Tavares e Yull Heilordt H. Roa. 

A iniciativa teve apoio da Reitoria do Instituto, especificamente das Pró-Reitorias de Desenvolvimento Institucional e de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, responsáveis pelo apoio e financiamento da capacitação em tecnologias fotovoltaicas realizada pelos docentes envolvidos, Ezequiel Junio de Lima e Bruno Eduardo Carmelito. 

Além disso, o IFSolar,  projeto pioneiro do IFSULDEMINAS para a instalação das usinas fotovoltaicas, potencializou a proposta ao confirmar a vocação do IFSULDEMINAS para as tecnologias renováveis.

Do Departamento Municipal de Energia e Distribuição de Poços de Caldas, participarão da execução do projeto o gerente de P&D Anderson Muniz, a coordenadora do Programa de Eficiência Energética (PEE) Cláudia de Souza e os eletricistas de Instalação II, Anderson Elias Couto e Thiago Miglioranzi Volpe.

Sobre o projeto
De acordo com o diretor de Desenvolvimento Institucional do IFSULDEMINAS, Paulo Roberto Ceccon, a preocupação com a sustentabilidade e o uso de recursos renováveis têm norteado as ações do Instituto. 

Recentemente, foi finalizada a instalação de usinas fotovoltaicas para geração de energia em todos as unidades, ação que faz parte do projeto IFSolar. 

O diretor explicou que a Reitoria tem incentivado os campi na captação de recursos para investimento em energias renováveis. 


“Durante uma reunião na Reitoria, tomamos conhecimento do edital  publicado pela ANEEL para fomento aos projetos dessa natureza e encaminhamos a todos os campi com o objetivo de estimular a inscrição de propostas. Os professores do Campus Poços de Caldas se interessaram e apoiamos na elaboração do projeto e realização de capacitações na área”, disse.   

O professor Ezequiel Junio de Lima comentou que o o nome “IFSolares” foi sugerido em homenagem ao projeto IFSolar. 

Ele explicou que a ação no âmbito do Programa de Eficiência Energética também propõe o estudo do impacto da geração distribuída na rede do DMED, que analisará,  por exemplo, os limites e a sustentabilidade da inserção de painéis fotovoltaicos na rede de energia elétrica da cidade de Poços de Caldas.

Considerando as características de funcionamento do Campus Poços de Caldas, constatou-se que os equipamentos destinados à iluminação são os grandes responsáveis pelo consumo de energia. 

Assim, o IFSolares propõe o retrofit da instalação com a substituição das lâmpadas e refletores convencionais por lâmpadas eficientes de LED para os ambientes internos e externos. 

O professor Ezequiel explica que, “o retrofit trará uma significativa redução  na conta de energia do Campus.

“A implantação da geração distribuída se dará por meio da instalação de uma nova usina fotovoltaica que se somará à usina já existente. O estudo das consequências trazidas pela conexão de geradores fotovoltaicos possibilita o planejamento correto de operação do sistema de distribuição, evitando assim, a degradação da qualidade da energia elétrica fornecida aos consumidores e operação incorreta das proteções da rede. Dentro desse contexto, o projeto irá realizar a análise dos impactos da Geração Distribuída na rede da distribuidora devido à penetração de sistemas fotovoltaicos”, explicou o professor Bruno Eduardo Carmelito.

Laboratório para cursos e pesquisa
De acordo com os professores do Campus Poços de Caldas, considerando a perspectiva de pesquisa, o IFSolares propõe um estudo  comparativo sobre a eficiência técnica e econômica da microgeração de  energia a partir da tecnologia fotovoltaica e a tecnologia de concentração solar por reflexão, permitindo uma análise sobre a viabilidade de aplicação para cada contexto estudado.

Para desenvolver os estudo, o IFSolares prevê a criação do Laboratório de Eficiência Energética e Energias Renováveis (LEFEER), responsável por centralizar as informações e os dados do estudo. 

A estrutura contará com uma área aproximada de 40 metros quadrados, de uso exclusivo do projeto.

O projeto também promoverá a capacitação laboratorial de estudantes, servidores, docentes e funcionários das duas instituições participantes (IFSULDEMINAS e DME), com o objetivo de dar continuidade às ações e replicá-las em outras instituições e unidades consumidoras. 

A estrutura disponibilizada pelo projeto permitirá ao IFSULDEMINAS ofertar cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC) e até mesmo cursos em nível de pós-graduação. 

Como resultado do projeto, a equipe envolvida produzirá um relatório mencionando a redução da conta de energia elétrica do Campus, as conclusões e indicadores do estudo, redução de barreiras técnicas, financeiras, jurídicas, administrativas e tecnológicas para implantação de minigeração em outras instituições públicas. 

Há também a previsão de publicação de relatórios, livros, artigos científicos em revistas indexadas, guias, manuais e demais publicações que contribuam com a replicabilidade das ações de Eficiência Energética e da Geração Distribuída realizadas no projeto.

da assessoria IFSULDEMINAS

DEMANDAS DE CANA VERDE SÃO APRESENTADAS EM REUNIÃO COM SECRETÁRIO DE ESTADO DE GOVERNO

Prefeito convidou o governador Fernando Pimentel e o secretário Odair Cunha para participarem da comemoração do aniversário da cidade

O secretário de Estado de Governo, Odair Cunha (PT), recebeu nessa terça-feira, 20, no Palácio da Liberdade, o prefeito de Cana Verde, Eduardo Cardoso Garcia (PP), e o secretário municipal de Educação, Agnaldo Montes. 

O objetivo da reunião realizada na capital mineira foi tratar de algumas demandas do município, localizado no Sul de Minas, nas áreas de infraestrutura, saúde e, principalmente, geração de emprego e renda.  

O prefeito aproveitou a oportunidade para convidar o governador Fernando Pimentel (PT) e o secretário Odair Cunha para participarem da comemoração do aniversário da cidade, que completará 55 anos no dia 1° de setembro. 

O secretário recebeu as demandas de Cana Verde e ressaltou a atenção que o governador tem com as necessidades apresentadas pelos gestores municipais.

 “O Pimentel foi prefeito e conhece bem o dia a dia dos gestores municipais. Ele sabe que os prefeitos e as prefeitas estão em contato diário com os problemas enfrentados pela população, e que por isso, é fundamental, para fazermos uma boa gestão em Minas Gerais, escutarmos os atores municipais”.